Aurel Milloss

  • Categoria: Profissionais da dança
  • País: Hungria
  • Data de nascimento: 12/05/1906
  • Data de falecimento: 21/09/1988

Conteúdo

Nasceu em 1906 em Ozora, uma cidade no sul da Hungria. Aos cinco anos, viu Le Spectre de la Rose" (1911) dançado por Vaslav Nijinski (1890-1950) numa turnê do Ballets Russes em Budapeste e decidiu tornar-se bailarino.

Iniciou os estudos de técnica clássica em 1913 com Nicola Guerra (1865-1942), Elena Poliakova e Olga Preobrajenska (1871-1962). Mais tarde, conheceu o trabalho de Rudolf Laban (1879-1958) e se convenceu de que seu papel na dança estava na pesquisa coreográfica.

Para isso, mudou-se em 1925 para Berlim, onde se matriculou na escola de Hertha Feist (1896-1990), aluna de Laban. Em paralelo, estudou técnica clássica com Enrico Cecchetti (1850-1928). Em 1928, formou-se na escola de Feist e conquistou o diploma do Instituto de Coreografia Laban, fazendo sua estreia em um recital na Galeria Der Sturm, em Berlim.

Entre 1928 e 1932, atuou como solista do corpo de baile da Staatsoper de Berlim e continuou tendo aulas de balé com Victor Gsovsky (1902-1974). No mesmo período, Ele também passou a atuar, em paralelo, como bailarino e coreógrafo assistente em Hagen, Duisburg-Hamborn/Bochum e Breslau, onde criou sua primeira coreografia para o Teatro Estatal da cidade: "H.M.S. Royal Oak" (1932).

Entre 1932 e 1934, foi coreógrafo, diretor de balé e bailarino do Teatro Estatal de Augsburg, onde criou versões próprias para balés do repertório de Serge Diaghilev (1872-1929), como "Petrouchka" (1933), estreada em Budapeste.

Em 1934, foi admitido como coreógrafo, diretor de balé e bailarino no Teatro della'Opera de Düsseldorf, no qual deveria permanecer por duas temporadas. A ascensão da Alemanha nazista, no entanto, o fez fugir em dezembro de 1935.

Em 1936, tornou-se coreógrafo-assistente de Antal Németh no Teatro Nacional de Budapeste e aproveitou a ocasião para abrir uma escola na cidade. Nesse período, começou os primeiros contatos com o compositor Béla Bartók (1881-1945), a quem encomendaria a trilha de “O Mandarim Maravilhoso”.

Em 1937, Aurel começou sua investida italiana, debutando no Teatro San Carlo, de Nápoles e, no ano seguinte, assumindo o posto de coreógrafo , diretor de dança e primeiro-bailarino do Teatro Reale della'Opera de Roma, onde permaneceu até 1945. Foi com esse grupo que ele estreou os balés "A Sagração da Primavera" (1941), em Roma, e "O Mandarim Maravilhoso (1942), em Milão.

Entre 1946 e 1947, ele se tornou coreógrafo do Teatro alla Scala de MIlão e coreógrafo convidado do Ballets de Champs-Elysées. De 1948 a 1952, Aurel excursionou pelo mundo como coreógrafo convidado. Roma, Buenos Aires, Estocolmo, Madri, Veneza, Florença, Milão... Todas essas cidades viram criações do húngaro nascerem.

Em 1953, a convite de Ciccilo Matarazzo (1898 - 1977), veio a São Paulo, onde, rebatizado de "Aurélio", passou a dirigir e coreografar o Balé do IV Centenário, com o qual permaneceu até o início de 1955. Nesse ano, voltou à Itália, onde assumiu como coreógrafo e diretor de dança do Teatro Massimo de Palermo.

Passados os dramas da Segunda Guerra, Aurel fez nova investida na Alemanha em 1960, ano em que recebeu a cidadania italiana e passou a atuar como coreógrafo e diretor de dança da Opernhaus de Colônia, onde ficou até 1963. Nesse meio tempo, atuou como coreógrafo convidado na Staatsoper de Viena e no Teatro La Monnaie de Bruxelas.

Foi coreógrafo e diretor da Staatsoper de Viena de 1963 a 1966 e de 1971 a 1974. Nesse meio tempo, entre 1966 e 1969, voltou a ocupar o posto no Teatro Reale della'Opera, em Roma.

Sua últrima coreografia Foi “La Rivolta di Sisifo” (1977), com música de Petrassi. Morreu em Roma, aos 82 anos, em 1988."

Links

(por Amanda Queirós | Pesquisa SPCD) 664

Bibliografia

AMARAL, Glaucia (org.) Fantasia brasileira: o Balé do IV Centenário. São Paulo: SESC, 1998. p. 8-9.

Da'AMICO, Fedele, BENTIVOGLIO, Leonetta. Aurelio M. Milloss. 35 anni di balletto al Maggio Musicale Fiorentino. Firenze, Istituto degli Innocenti, 1987

VEROLLI, Patrizia. Milloss: Un maestro della coreografia tra espressionismo e classicità. Lucca, Libreria Musicale Italiana, 1996

Trabalhos

- H.M.S. Royal Oak" (1932), com música de Schulhoff

- "Petrouchka" (1933), com música de Stravinski

- "A Sagração da Primavera" (1941), com música de Stravinski

- "O Mandarim Maravilhoso" (1942), com música Bartók

- "Orlando Furioso" (1947), com música de Petrassi

- "Retrato de Dom Quixote" (1947), com música de Petrassi

- "Marsia" (1948), com música de Dallapiccola

- "Mystè res" (1951), com música de Bartók

- "Il principe di legno" (1951), com música de Bartók

- "La sonata dell’angoscia" (1954), com música de Bartók

- "Estro barbarico" (1960), com música de Bartók

- "Estri" (1968), com música de Petrassi

- "Visage" (1973), com música de Luciano Berio

- "Jeux" (1975), com música de Claude Debussy

- "La Rivolta di Sisifo" (1977), com música de Petrassi"
X