Cia. Balé Baião

Conteúdo

A Cia.Balé Baião foi fundada em 1994 em Itapipoca, litoral oeste do Ceará. Com uma vasta cultura em danças populares, como maracatu, côco de pescadores, reisado e quadrilha, a cidade não possuía, no entanto, um movimento de dança contemporânea. Os primeiros passos foram dados com o surgimento do Dance Rua, projeto que congregava jovens dançarinos dos bairros periféricos da cidade.

A participação em festivais e mostras de dança em Fortaleza possibilitou o contato com grupos, bailarinos, atores e coreógrafos também de outros estados brasileiros, despertando o interesse em conhecer e aprofundar a pesquisa em dança contemporânea.

Formada por bailarinos-intérpretes-criadores, e sob a direção do coreógrafo Gerson Moreno, a Balé Baião desenvolve uma série de atividades de cunho artístico e sócio-educativo na cidade de Itapipoca e municípios vizinhos.

Atualmente a Cia é núcleo de uma entidade jurídica sem fins lucrativos, a Associação de Artes Cênicas de Itapipoca (AARTI), que promove o desenvolvimento e a difusão da dança"

Links

- A Invenção do Baião Teimoso – tributo aos 18 anos da Cia (2012)
- Sobre aquilo que permanece (2011)
- Lamentos e Gozos da Imperatriz de Itapipoca (2010)
- Negrume (2010)
- Em quatro compartimentos (2010)
- Parágrafos e reticências (2009)
- Sólidos (2008)
- Remanescentes (2007)
- Advento do Ser, metáforas da inquietude (2007)
- Advento do Ser (2006)
- Finitude (2006)
- Sincronia Quebrada (2005)
- Intimidades (2004)
- Carne Benta (2003)
- Rebento, dançando o que restou... (2001)
- Performance Pão para cinco pratos (1999)
- Etnia, o baião das três raças (1999)
- Pátria Sertaneja (1997)

Bibliografia

estimula o intercâmbio com artistas e grupos atuantes no estado do Ceará, no Brasil e fora do País

Videografia

cria, assessora, apoia e promove mostras, festivais, encontros, oficinas, cursos, residências e fóruns de dança de âmbito local, estadual e nacional, em parceria com entidades, ONGs e empresas afins.

Com a entrada de Gerson Moreno no Colégio de Dança do Ceará (Instituto Dragão do Mar de Arte e Cultura), solidificou-se a possibilidade de se pensar novas pesquisas em dança contemporânea. Desde então, Gerson vem participando de laboratórios de criação em dança.

Em seu repertório estão espetáculos montados em processos colaborativos, onde a estética e dramaturgia nascem de questões relacionadas ao corpo contemporâneo e suas inquietudes, ânsias, buscas e achados históricos. Os espetáculos já circularam por mostras de dança no Ceará, Distrito Federal, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Piauí e Bahia, além de cruzar os mares até Cabo Verde, na África.

A constante participação nas edições da Bienal Internacional de Dança do Ceará possibilitou a primeira experiência internacional, em 2009, com o espetáculo Sólidos em Cabo Verde – África, na cidade de Praia.

Dirigida por Gerson Moreno, a Cia Balé Baião é formada pelos intérpretes-criadores Cacheado Braga, Edileusa Inácio, Glaciel Farias, Viana Júnior, Roniele de Souza e Edilene Soriano.

Trabalhos

proporciona aos associados e à comunidade programas de capacitação, pesquisa, produção e difusão em artes cênicas nas suas diversas vertentes
X