Dança em Rede

Marius Petipa

  • Categoria: Profissionais da dança
  • País de origem: França
  • Atividade: Bailarino
  • Atividade: Coreógrafo
  • Atividade: Maître de Ballet
  • Data de nascimento: 1818-03-11
  • Data de falecimento: 14/07/1910

Histórico

Bailarino, coreógrafo e maître de ballet, Marius Petipa nasceu na França, foi aluno de Auguste Vestris e dançou e coreografou para diversas companhias francesas menores, sua fama sendo construída apenas na segunda metade do século XIX, na Rússia, para onde foi levado por Arthur Saint-Léon, como bailarino solista e professor de ballet adjunto do Teatro Maryinsky.

Sem grande fama francesa, Petipa chega à Rússia em perfil discreto e ganhando pouco. Seu trabalho é reconhecido quando se torna Primeiro Maître da companhia e, em 1869, com a morte de Saint-Léon, Petipa passa a ser o principal Maître da Rússia: Maître do Ballet Imperial e professor e Inspetor da Dança na escola imperial, responsável por 120 alunos.

Suas coreografias marcantes dessa primeira fase de trabalho incluem espetáculos longos e dispendiosos, com números cenários, efeitos visuais e elencos. Dessa época, A Filha do Faraó (1862) contava com 5h de espetáculo, crianças, mudanças drásticas de cenário, uma fonte jorrando água no palco, múmias e uma cena submersa no Nilo. A famosa cena do Reino das Sombras, de La Bayadè re (1877), foi originalmente composta para 64 bailarinos.

Ê, em 1882, após o assassinato do czar Alexandre II, que seu sucessor, Alexandre III, organiza uma grande reforma nos teatro imperiais, buscando um público maior e geral. Nessa reforma, Ivan Vsevolozhsky é apontado diretor do Maryinsky. Grande entusiasta dos ballets, ele se une a Petipa para a Realização de suas maiores obras, A Bela Adormecida, O Quebra Nozes e O Lago dos Cisnes, no período que Petipa chama, em suas memórias, de seus 17 anos de glória.

Em 1899, Vsevolozhsky abandona o teatros imperial e Petipa segue com ele, trabalhando ainda até 1903, quando é forçado à aposentadoria. Seu livro de memórias, ditado por ele que estava na cama e devastado com sua situação social e desprezo que sentia da sociedade russa, foi publicado em 1906. Petipa morreu em 1910, encerrando o reinado francês na dança Russa.

Links





Henrique Rochelle | SPCD Pesquisa 155

Bibliografia

Petipa é discutivelmente o maior coreógrafo clássico de todos os tempos, e, portanto, é universalmente mencionado em obras que tratem da dança clássica, das quais são listadas abaixo algumas sugestões de leituras e referências.

ANDERSON, Jack. Ballet and Modern Dance: a concise history
ANDERSON, Jack. Dança
AU, Susan. Ballet & modern dance.
BALANCHINE, George; MASON, Francis. Complete Stories of the Great Ballets
BOUCIER, Paul. História da Dança no Ocidente
CAMINADA, Eliana. História da Dança: evolução Cultural
COHEN, Selma Jean. Dance as a Theatre Art
CRAINE, Debra; MACKRELL, Judith. The Oxford Dictionary of Dance
DILS, Ann; ALBRIGHT, Ann Cooper. Moving History / Dancing Cultures: a dance history reader
FARO, Antonio Jose; SAMPAIO, Luiz Paulo. Dicionário de Balé e Dança
KIRSTEIN, Lincoln. Four Centuries of Ballet
KOEGLER, Horst. The Concise Oxford Dictionary of Ballet
PETIPA, Marius. Russian Ballet Master: The Memoirs of Marius Petipa
PORTINARI, Maribel. História da Dança
SCHOLL, Tim. From Petipa to Balanchine
SORELL, Walter. Dance in Its Time

Videografia

Homenagem a Marius Petipa pelo Ballet do Teatro Maryinsky (2009)
http://www.youtube.com/watch?v=9C-9rBC56CY

Trabalhos

Petipa criou mais de 50 coreografias. Dentre as originais, destacam-se:

Carnaval de Veneza (1859)
Dália Azul (1860)
A Filha do Faraó (1862)
Escrava (1869)
Don Quixote (1869)
Sonho de Uma Noite de Verão (1876)
La Bayadè re (1877)
A Bela Adormecida (1890)
O Quebra Nozes (1892)
O Lago dos Cisnes (1895 – apesar de a versão original de Lago dos Cisnes ser uma criação de 1877 de J Reisinger, a primeira versão completa do ballet e a que foi mantida em repertório é a de Petipa)
Raymonda (1898)
X