Dança em Rede

Yuco Lindberg

  • Categoria: Profissionais da dança
  • País de origem: Estônia
  • Atividade: Bailarino
  • Atividade: Coreógrafo
  • Atividade: professor

Histórico

Yuco veio para o Brasil em 1921, para a cidade de São Paulo, e sete anos mais tarde, em 1928, foi para o Rio de Janeiro, a convite do então Diretor da Escola de Danças Clássicas do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Ricardo Nemanoff, que substituía a fundadora Maria Olenewa.

Ingressou no Corpo de Baile do Municipal do Rio, e logo se tornou primeiro bailarino do grupo, em 1933.

Em 1942, Yuco Lindberg assumiu a direção da Escola de Danças Clássicas do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, posto que ocupou até sua morte, em 1948.

Trabalhos

Entre seus papéis principais, estão: Imbapara (1934), Amaya e As Garças (1942) coreografias de Maria Olenewa; Daphnis et Chloé, La Boîte à Joujoux e Masques et Bergamasques (1939), coreografias de Vaslav Veltchek; Primeiro Baile (1945), coreografia de Igor Schwezoff.
Para o Teatro Municipal coreografou: Amor de Cigano e Inspiração (1944), Congada (1945), A Felicidade (1943), Prelúdios e Muiraquitã (1946), entre outros. Foi também maitre de balé do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Yuco foi figura de suma importância para o Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, dando continuidade ao trabalho sempre que não havia nenhum coreógrafo convidado para a temporada. Esse papel rendeu a ele o apelido, dado por Nina Verchinina, de “Mago dos Bailados”, pela rapidez que criava e montava balés.

Links

(Por Liana Vasconcelos | Pesquisa SPCD) 804
X