Dança em Rede

Amanda Assucena

  • Categoria: Profissionais da dança
  • País de origem: Brasil
  • Cidade de origem: Rio de Janeiro
  • Data de nascimento: 14/06/1994

Histórico

Bailarina do Joffrey Ballet

Amanda Assucena. Foto: Divulgação
Amanda Assucena. Foto: Divulgação
Amanda Assucena como Marie, O Quebra-Nozes, Joffrey Ballet. Foto: Divulgação
Amanda Assucena como Marie, O Quebra-Nozes, Joffrey Ballet. Foto: Divulgação
Amanda Assucena e Greig Matthews, Jane Eyre, Joffrey Ballet. Foto: Cheryl Mann | Divulgação
Amanda Assucena e Greig Matthews, Jane Eyre, Joffrey Ballet. Foto: Cheryl Mann | Divulgação

Biografia

Amanda Assucena começou a dançar aos 8 anos no Centro de Dança Rio, aos 12, ingressou na Escola de Dança Maria Olenewa. Em 2007, como aluna da instituição, fez o papel de Clara, em O Quebra-Nozes, com a companhia profissional do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Em 2008, ingressou no Harid Conservatory, onde estudou por quatro anos. Tão logo se formou, ingressou no Trainee Program do Joffrey Academy of Dance. Em 2013, foi contratada pelo Joffrey Ballet, onde permanece até hoje.

Dentre os prêmios conquistados, em 2012, foi primeiro lugar no Festival de Dança de Joinville e no Dance Study Award, além de receber o Jeanotte B. Cerrone Award por Excellence in Dance Performance.
 

Principais trabalhos

Como bailarina do Joffrey Ballet, dançou diversos papéis principais, como Julieta em Romeu e Julieta (2008), de Krzysztof Pastor; Cinderella em Cinderella (1948), de Frederick Ashton (1904-1988); Odette/Odile em O lago dos cisnes (2004), de Christopher Wheeldon; Giselle em Giselle (2012), de Lola de Ávila depois de Marius Petipa (1818-1910), Jean Coralli (1779-1854) e Jules Perrot (1810-1892); Anna Karenina em Anna Karenina (2019), de Yuri Possokhov; Jane Eyre em Jane Eyre (2016), de Cathy Marston; Marie em O Quebra-Nozes (2016), de Christopher Wheeldon; Fada Açucarada em O Quebra-Nozes (1987), de Robert Joffrey (1930-1988); e Sylvia (1997), de John Neumeier.

Outras obras pela companhia foram Le sacre du printemps (1913), de Vaslav Nijinsky (1889-1950); In Creases (2012) e Year of the Rabbit (2012), de Justin Peck; Midsummer Night's Dream (2015), Episode 31 (2011) e Tulle (2012), de Alexander Ekman; Fool’s Paradise (2007), de Christopher Wheeldon; The Miraculous Mandarin (2016), de Yuri Possokhov; Mono Lisa (2010), de Itzik Galili; The Four Temperaments (1946), de George Balanchine (1904-1983); The Times are Racing (2017),de Justin Peck; Vespertine (2013), de Liam Scarlett; Yonder Blue (2019), de Andrew McNicol; Infra (2008), de Wayne McGregor; Interplay (1945), de Jerome Robbins (1918-1998); Maninyas (1996), de Stanton Welch; Light Rain (1981), de Gerald Arpino (1923-2008); Forgotten Land (1981), de Jirí Kylián; e Tipping Point (2016), de Ashley Page.

Também teve participação com o Joffrey Ballet nas óperas Bluebeard's Castle (2016), de Béla Bartók, com coreografia de Yuri Possokhov, e Orphée et Eurydice (2017), de John Neumeier.

 

 

 

Bibliografia

(Cássia Pires | Pesquisa SPCD)

Videografia

Pas de trois de O lago dos cisnes, com comentários dos bailarinos, Joffrey Ballet
<https://www.youtube.com/watch?v=vmqhbXwS2Aw>

Ensaio de Jane Eyre, Joffrey Ballet
<https://www.youtube.com/watch?v=HO7v386NO5A>

Ensaio de O Quebra-Nozes, Joffrey Ballet
<https://www.youtube.com/watch?v=okoEQIHLZog>

Ensaio da Variação de Giselle, ato I, Joffrey Ballet
<https://www.instagram.com/p/CCM7elMAHpj/>

Amanda Assucena sobre dançar Odette e Odile, Joffrey Ballet
<https://www.youtube.com/watch?v=8pyEiggMS40>

X