O Cajueiro Botador

  • Categoria: Coreografias
  • País: Brasil
  • Cidade: Fortaleza
  • Ano: 1999
  • Grupos: Colégio de Dança do Ceará
  • Autores: Silvia Moura

Conteúdo

Silvia Moura é bailarina, coreógrafa e atriz. Integrou o Grupo de Dança Dora Andrade e formou, no final dos anos 80, o Em Crise, grupo de atores e bailarinos. Foi aluna do Colégio de Dança do Ceará, e, em 2002, criou o CEM (Centro de Experimentações em Movimentos), com o objetivo de dar acesso à formação e pesquisa em dança contemporânea.

Links

(por Elisa Parente | Pesquisa SPCD) 85

Bibliografia

Fonte:
GADELHA, Rosa Cristina Primo. A Dança Possível: as Ligações do Corpo Numa Cena. / Rosa Cristina Primo Gadelha. - Fortalza: Expressão Gráfica e Editora Ltda., 2006.

Programa do espetáculo.

Sinopse

O espetáculo O Cajueiro Botador" foi concebido e coreografado pela bailarina Silvia Moura em 1999, primeiro ano de sua formação no Colégio de Dança do Ceará (1999-2002).

Com assistência de coreografia de Adriano Araújo, Ricardo Barreto e Valéria Freire, o trabalho foi relizado em conjunto com o Colégio de Realização em Cinema e Vídeo do Instituto Dragão do Mar de Arte e Indústria Audiovisual do Ceará.

O elenco era formado por 20 intérpretes e o Grupo de Tradições Cearenses. Entre eles estavam os bailarinos Adriano Araújo, Cláudia Pires, Fauller, Cláudio Ivo e Wilemara Barros.

"A necessidade de entender a relação com a cidade, suas pessoas e suas histórias me fez buscar um tema real - uma festa popular - que fosse a cara da Fortaleza antiga, e assim nos mostrasse a cara da Fortaleza nova.
Dentro disso vimos as pessoas com gestos alternados, semblantes alternados e sem nenhumm relação afetuosa com as outras pessoas e com a própria cidade.
Através da linguagem do vídeo, tentamos captar esses personagens perdidos no tempo e que nos aproximam do tempo da festa do Cajueiro Botador, tempo em que as pessoas cantavam nas ruas e se cumprimentavam e sorriam.
Na coreografia aparece mais claramente a relação com nosso tempo real, os carros, os mendigos, os camelôs, o lixo, a falta de relação entre as pessoas, enfim, aparece a cara da Fortaleza nova.
Pensamos com este trabalho repensar a nossa relação com a cidade, e principalmente nos acharmos dentro dela".

Texto da coreógrafa Silvia Moura no programa do espetáculo."
X