Dança em Rede

O Despertar de Flora

  • Categoria: Coreografias
  • País de origem: Rússia
  • Ano de criação: 1894
  • Duração: 60 min.
  • Grupos de estreia: Imperial Ballet
  • Autores: Coreógrafo: Marius Petipa

Histórico

Matilda Kschessinskaya como Flora e Vera Trefilova como Eros, O despertar de Flora, 1894. Foto: The Marius Petipa Society | Divulgação

Matilda Kschessinskaya como Flora e Vera Trefilova como Eros, O despertar de Flora, 1894. Foto: The Marius Petipa Society | Divulgação

O despertar de Flora, Mariinsky Ballet. Foto: Divulgação

O despertar de Flora, Mariinsky Ballet. Foto: Divulgação

Xenia Ostreikovskaya como Aurora, O despertar de Flora, Mariinsky Ballet. Foto: Divulgação

Xenia Ostreikovskaya como Aurora, O despertar de Flora, Mariinsky Ballet. Foto: Divulgação

David Zaleyev como Zephyre, Olesya Novikova como Flora e Alexander Romanchikov como Apollo, O despertar de Flora, Mariinsky Ballet. Foto: Divulgação

David Zaleyev como Zephyre, Olesya Novikova como Flora e Alexander Romanchikov como Apollo, O despertar de Flora, Mariinsky Ballet. Foto: Divulgação

Mini Biografia do Coreógrafo

Marius Petipa (1818-1910) nasceu em Marselha, na França. Começou a dançar na infância e foi primeiro-bailarino do Ballet de Nantes e do Grand Théâtre, ambos na França, do Teatro del Circo, na Espanha, e do Imperial Ballet (Kirov Ballet/Mariinsky Ballet), na Rússia. Ele começou a coreografar ainda bailarino, na primeira companhia onde trabalhou, mas foi no Imperial Ballet que sua carreira cresceu e se consolidou. Petipa coreografou dezenas de ballets, algumas de suas criações mais famosas são A filha do faraó (1862), Dom Quixote (1869), La Bayadère (1877), O lago dos cisnes (1877), A Bela Adormecida (1890), O Quebra-Nozes (1892) e Raymonda (1898). Também remontou outros tantos ballets, os mais conhecidos são Giselle (1841), Esmeralda (1844), Paquita (1846), O corsário (1856) e Coppélia (1870). Além disso, também foi maître de ballet do Imperial Ballet. Faleceu em São Petersburgo, na Rússia.

 

Principais remontagens

O despertar de Flora (1894) foi criado para as comemorações no Palácio Peterhof do casamento da Grã-Duquesa Xenia Alexandrovna e do Grão-Duque Alexander Mikhailovich. No ano seguinte, Marius Petipa remontou a obra no Imperial Ballet com o mesmo elenco da estreia e sua última apresentação aconteceu em 1919. A coreografia foi notada pelo Método Stepanov por volta de 1894 e faz parte da Sergeyev Collection, arquivada na Harvard University Library.

Em 1914, Anna Pavlova (1881-1931) utilizou a partitura de Riccardo Drigo (1846-1930), reduzida a 30 minutos, para criar uma versão para a sua companhia coreografada por Ivan Clustine (1862-1941).

Yuri Burlaka utilizou sete músicas de Riccardo Drigo (1846-1930), cinco da obra original e duas de outras obras, para criar um pas de deux inspirado em O despertar de Flora (1894) intitulado Rose Pas de Quatre (2004). Essa criação foi resultado de um workshop na Academia do Bolshoi Ballet e depois transferida para o repertório do Bolshoi Ballet.

Em 2007, o Mariinsky Ballet (antigo Imperial Ballet) remontou O despertar de Flora (1894) com base nas notações do original e mantém a obra em seu repertório.

Além disso, a Variação de Flora é comumente dançada em festivais e competições de dança.

Bibliografia

Informações sobre O Despertar de Flora na página The Marius Petipa Society
<https://petipasociety.com/the-awakening-of-flora/>

Libreto de O Despertar de Flora
<https://petipasociety.com/the-awakening-of-flora-libretto/>

Página de O Despertar de Flora no site do Mariisky Ballet
<https://www.mariinsky.ru/en/playbill/repertoire/ballet/flora/>

60

(Cássia Pires | Pesquisa SPCD)

Videografia

Variação de Flora, O Despertar de Flora, Mariinsky Ballet, Olesya Novikova, 2017
<https://www.youtube.com/watch?v=rbretMDX0js>

A aparição de Aurora, O Despertar de Flora, Mariinsky Ballet, Maria Khoreva, 2018
<https://www.youtube.com/watch?v=R9Izs-_nt4E>

Variação de Flora, O Despertar de Flora, Vaganova Ballet Academy, s.d.
<https://www.youtube.com/watch?v=OOUDx-vOU4Y>

O Despertar de Flora, obra completa, Mariinsky Ballet, Evgenia Obraztsova e Vladimir Shklyarov, 2007
<https://www.youtube.com/watch?v=h7eAalYlREY>

Rose Pas de Quatre, Bolshoi Ballet, s.d.
<https://www.youtube.com/watch?v=Kb1KFjGtirA>

Sinopse

O Despertar de Flora (1894) é um balé anacreôntico de um ato, com coreografia de Marius Petipa (1818-1910) e música de Riccardo Drigo (1846-1930). O libreto é de Marius Petipa (1818-1910) e Lev Ivanov (1834-1901) inspirado no mito greco-romano de Flora, a deusa das flores. De acordo com a Marius Petipa Society, a coreografia tem sido creditada também a Lev Ivanov (1834-1901) por causa de um erro de impressão no programa original da obra, mas não é verdade, a coreografia foi criada apenas pelo Marius Petipa (1818-1910).
Diana, a deusa  da noite, guarda o sono de Flora, deusa das flores, e suas ninfas. Assim que o dia amanhece, ela se esconde entre as nuvens. Repentinamente, Áquilo, deus dos ventos, aparece e traz uma tempestade. As ninfas acordam e se refugiam entre as folhas. O orvalho frio deixa Flora desesperada e ela implora ajuda à Aurora, que a conforta: ela está sendo seguida por Apolo, deus do dia, que acabará com seu sofrimento.
Quando o radiante Apolo aparece, tudo ganha vida. Encantado com a beleza de Flora, ele a beija. Convocado pelo deus do dia, Zéfiro, deus do vento do oeste, aparece e voa para abraçar Flora, sua amada. Todos ficam encantados e se alegram com a felicidade dos amantes.
Mercúrio, mensageiro dos deuses, anuncia a chegada de Ganímedes, príncipe de Troia, que está acompanhado de Hebe, deusa da juventude. Flora e Zéfiro mostram uma xícara de néctar e declaram que Júpiter lhes concederá a eterna juventude. Baco e Ariadne chegam de carruagem acompanhados por bacantes, sátiros, faunos e sílfides. O Olimpo é revelado: Júpiter, Juno, Netuno, Vulcano, Minerva, Ceres, Marte, Plutão, Proserpina e Vênus aparecem.

X