Dança em Rede

Gigi Caciuleanu

  • Categoria: Profissionais da dança
  • País de origem: Romênia
  • Atividade: Bailarino e Coreógrafo
  • Data de nascimento: 13/05/1947

Histórico

   

Gigi Caciuleanu | Foto: Acervo Pessoal

   

BIOGRAFIA

  Gigi Caciuleanu começou a dançar aos 4 anos de idade em sua cidade natal. Aos 9 anos, ingressou na Escola Nacional de Pós-Graduação em Coreografia, durante a qual descobriu a dança moderna com Miriam Raducanu, uma figura moderna e vanguardista da nova dança romena. Após a formatura, ele entrou no Teatro Bolshoi para um curso de formação clássica, depois foi contratado como solista pela Ópera de Bucareste, que lhe permitiu abordar os principais papéis do repertório clássico, ao mesmo tempo em que aprofundou sua abordagem da dança contemporânea: ele participou como intérprete na série de criações dos espetáculos Nocturne 9 e 1/2, iniciados pela diretora do teatro Tandarica (Margareta Nicolesco) e se apresentou em muitos festivais internacionais. Em 1970, ele ganhou o Primeiro Prêmio da Competição Internacional de Balé de Varna e, em 1971 e 1972, ganhou o Primeiro Prêmio da Competição Internacional de Coreografia de Colônia, duas vezes seguidas. Dois anos depois, ele foi o grande vencedor da Competição Coreográfica Internacional de Bagnolet. Depois de ser convidado de Pina Bausch em Essen-Werden, mudou-se para a França em 1973 para fundar o Contemporary Dance Studio em Nancy, auxiliado por Rosella Hightower; ele permaneceu ligado ao Grand Théâtre de Nancy como um dançarino estrela e diretor de balé. Em 1978, ele criou o Festival de Dança Aix-en-Provence ao lado de Rosella Hightower e foi confiado à direção artística da Quinta Edição dos Encontros Coreográficos da Abadia dos Premontés de Pont-à-Mousson em 1979. Entre 1978 e 1993, dirigiu o Centro Coreográfico Nacional em Rennes e Bretanha e dota-o com um repertório que lhe permite fazer uma turnê pelo mundo inteiro (Europa, Ásia, Américas...). Durante esse período, o coreógrafo recebeu a distinção de Chevalier des Arts et des Lettres (1984), o Prêmio Brigitt por sua contribuição à vida cultural bretã (1987), e o prêmio de coreografia, concedido a ele por uma revista romena especializada em seu espetáculo Le Trouvère (1991). Em 1994, fundou sua própria empresa em Paris, com a qual voltou a fazer turnês no cenário internacional. Sete anos depois, sem desistir completamente de seu trabalho na França, foi nomeado diretor do Balé Nacional do Chile e trabalhou como coreógrafo convidado em muitas companhias (em Turim, Montevidéu ou São Paulo...). A Romênia decorou-a com sua maior distinção em 2002, a medalha da Ordem da Estrela da Romênia. Na Romênia, fundou a Gigi Caciuleanu Romea Dance Company. Com mais de 250 coreografias a seu crédito, Gigi Caciuleanu faz parte de vários jurados para grandes competições: Nagoya International Dance Competition, Eurovision Young Dancers Competition em Gdansk e Varsóvia, Paris International Dance Competition, Treviso Competition.

Trabalhos

– 1970: Mess Around (1ºprêmio no Concurso de Dança de Varna)
– 1971: Vozes (1º prêmio na Competição Coreográfica de Colônia)
– 1972: Sombra das Velas (1º prêmio na Competição Coreográfica de Colônia)
– 1974: Joy (1º prêmio na competição de Bagnolet)
– 1978: A coroação da primavera
– 1981: As Quatro Estações
– 1987: Il Trovatore
– 1989: Saxografia
– 1991: Mozartissimo
– 1992: La Folle de Chaillot para Maia Plissetskaya, Paris, Espace Cardin
– 1995: My Night with Nijinski
– 1997: Em sua fuga Eleonore
– 2000: Réquiem (música: Giuseppe Verdi)
– 2001: Selva X
– 2011: Gente
– 2002: Cuerpos
– 2002: Paris-Santiago
– 2003: A la alegria (música: Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven)
– 2003: Carmina Burana
– 2005:Noche Bach (2005)
– 2004: Carne de Aire
– 2007: OuiBaDa
– 2009: Oratório de Navidad (música: Jean-Sébastien Bach)
– 2012: D’ale noastre
– 2013: Passos de Mozart
– 2014: Folia, Shakespeare e co
– 2015: Vivaldi e as Estações
– 2015: Amor amores
– 2015: Imagine todas as pessoas
– 2015: Fabrika
– 2015: OUF ou Um Minuto de Dança
– 2016: O DAdA Om
– 2017: #EmojiPlay
– 2017: Eine Kleine Nachtmusik

 

Por Matheus Queiroz | Pesquisa SPCD

X