Hulda Bittencourt

  • Categoria: Profissionais da dança
  • País: Brasil
  • UF: SP
  • Cidade: Santa Cruz do Rio Pardo
  • Atividade: Bailarina
  • Atividade: Coreógrafa
  • Atividade: Professora
  • Data de nascimento: 28/07/1934

Conteúdo

Maria Hulda Françoso, mais conhecida como Hulda Bittencourt, nasceu no dia 28 de julho, de 1934, em Santa Cruz do Rio Pardo, no interior de São Paulo, porém, mudou-se para a Capital em 1938.

Estuda durante todo o Ginásio (1ª a 8ª série) no colégio Liceu Eduardo Prado. Na pré-adolescência é fisgada pela dança, adorava as folclóricas e populares brasileiras. Posteriormente, apaixona-se pela dança clássica e estuda com varias professoras. Inicia sua carreira de bailarina aos 17 anos, com Maria Olenewa (1906-1965), em 1951, com quem estuda por oito anos.

Em 1952, forma-se no curso normal do Colégio Caetano de Campos na Praça da República, por exigência de seu pai, que não aprovava a sua carreira artística, curso esse que posteriormente muito a ajudou em sua didática com a dança.

Ministra aulas de balé clássico, por indicação de Maria Olenewa, em Taubaté, no Country Club, sob direção de Bruna Petrowsky. Lá Hulda fica de 1955 a 1962. Dá aulas também no Conservatório Dramático e Musical Conselheiro Lafayette, em São Paulo (1957).

Cria sua própria escola, o Estúdio de Ballet Cisne Negro, em 1959 e, no ano seguinte, casa-se com o químico industrial Edmundo Bittencourt (1933-2004). Em 1962, nasce sua primeira filha, Giselle e em 1966, Daniele.
Forma-se no método de balé da Royal Academy of Dancing, em 1971, recebendo seu diploma no Rio de Janeiro. Adota este método de ensino oficialmente em seu estúdio.

Em 1977, funda a Cisne Negro Cia. de Dança, em 1º de abril; a partir da necessidade de profissionalizar suas alunas, fez uma composição com jovens ginastas da Faculdade de Educação Física da Universidade de São Paulo (USP). Em 1979, a companhia ganha o prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), na categoria grupo de Dança Revelação.

Em 1983, a companhia realiza pela primeira vez a apresentação do balé O Quebra Nozes, de Lev Ivanov (1834-1901) e música de Tchaikovsky (1840-1893), que virá a ser uma tradição do Cisne Negro. Em 1988, a companhia ganha o prêmio APCA na categoria Melhor Grupo de Dança.

Em 1996, Hulda ganha o prêmio Bandeirante como Personalidade do Ano em Dança, por seu trabalho como diretora artística da Cisne Negro Cia. de Dança. No ano seguinte, a companhia viaja em turnê internacional passando por diversos países, como Inglaterra, Alemanha, Uruguai, Argentina e Estados Unidos.

Em 1998, sua filha Daniele assume as funções de diretora de ensaios, assistente de coreografia e ensaiadora da companhia. Em 2004, seu marido, Edmundo, falece e sua filha, Giselle, assume a função administrativa do Estúdio de Ballet Cisne Negro. De 2004 a 2006, a companhia realiza outra turnê internacional.

Em 2007 é lançado o livro Cisne Negro Cia. de Dança 30 Anos de Dança, organizado por Cassia Navas, em comemoração aos 30 anos da companhia. Em 2008, é implantado o projeto social da companhia, Reciclando Sonhos, com patrocínio do Grupo Fleury e parceria com o Centro Assistencial Cruz de Malta, onde 40 jovens, de 12 a 16 anos, frequentam oficinas de dança, música, teatro, cenografia, meio ambiente e cidadania. Neste ano, comemora-se, no Teatro Alfa, a 25ª edição do espetáculo Natalino O Quebra-Nozes, com exposição de fotos celebrando essa trajetória.

Em 2009, acontece a implantação do segundo projeto social da Cisne Negro Cia. de Dança, Caminhos da Arte, com patrocínio da Monsanto, tendo como área de atuação a Vila Beatriz e a circunvizinhança. Trata-se de um projeto de complementação escolar, de arte-educação, abordando temas como coleta seletiva de lixo e reciclagem, preservação ambiental, mobilização corporal e cidadania e o despertar para profissões dentro das artes cênicas (dança, cenografia, iluminação, sonorização, figurinos, designer gráfico, adereços, entre outros).

Em 2009 a São Paulo Companhia de Dança dedica um documentário da série Figuras da Dança à ela. A direção foi de Inês Bogéa e Sergio Roizemblit. O texto biográfico assinado por Fabiana Caso está disponível para download aqui: http://www.saopaulocompanhiadedanca.art.br/folhetos_figuras_da_danca.php

Bibliografia

Cisne Negro Cia. de Dança 30 Anos de Dança | Cassia Navas e Nino Dastre| Editora Retrato, 2007

Documentário Hulda Bittencourt - Figuras da Dança | Direção Inês Bogéa e Sérgio Roizenblit| São Paulo Companhia de Dança, SP, 2009

Videografia

http://www.youtube.com/watch?v=JSw5pkwWAwA
http://www.youtube.com/user/cisnenegrocia?feature=results_main
http://www.youtube.com/watch?v=96oXec3e7JQ
http://www.youtube.com/watch?v=GIT2PfnNnaI
http://www.youtube.com/watch?v=gB7yWTNeA5w

Trabalhos

1954 Participa da opereta Viúva Alegre, dirigida por Maria Olenewa, no Teatro Santana.

1955 Dança com Maria Olenewa, viajando por cidades do interior de São Paulo.

1956 Dança na TV Tupi, no programa Música e Fantasia, dirigido pelo produtor Theophilo de Barros Filho e mantido pelo Grupo Industrial Pignatari; e nos programas de dança com direção de Maria Pia Finnochio, durante 5 anos. Atua também em vários programas de TV das Organizações
Victor Costa.

1957 Dança no Ballet do Teatro Cultura Artística, com destaque para a coreografia Cinderela, de Susanna Faini.
1977 Estréias da Companhia Cisne Negro: Cenas Brasileiras e Ragtime, ambas de Hulda Bittencourt; Pulsacion, de Penha de Souza.

1979 Estreias da Companhia: Micaretas, de Victor Navarro; Antemanhã, de Neyde Rossi-Carmel; Amor… Amor, de Penha de Souza; Sexteto para 10 e
Gente, de Sônia Mota; Del Verde al Amarillo, de Victor Navarro.

1980 Estreias da Companhia: Primeira Oração, de Luis Arrieta; Elgar e Gadget, de Victor Navarro.

1981 Estreia da Companhia: Quem Sabe um Dia, de Sônia Mota.

1982 Estreias da Companhia: Encosta Pravesidá, de Humberto Silva; Tempo de Tango, de Luis Arrieta; Iribiri, de Sônia Mota. Funda o Passo a Passo, grupo amador com objetivo de formação de base dos alunos do Estúdio de Ballet Cisne Negro para o palco.

1983 Estreia da Companhia: Do Homem ao Poeta, de Luis Arrieta. Primeira apresentação do espetáculo natalino O Quebra-Nozes, composta pelos bailarinos do Cisne Negro Cia. de Dança, por integrantes selecionados do grupo amador Passo a Passo e por bailarinos profissionais convidados, com direção de Hulda Bittencourt, no Teatro São Pedro.

1985 Estreia da Companhia: Destino, de Luis Arrieta.

1986 Estreia da Companhia: Coppélia, montagem de Tíndaro Silvano, com os bailarinos convidados Fernando Bujones e Nora Esteves.

1987 Estreias da Companhia: Trindade, de Luis Arrieta; Huis Clos, de Julio Lopes; Hyberboreans, de Fernando Bujones; Homenagem, de Tíndaro Silvano.

1988 Estreias da Companhia: Prece, de Janet Smith; Sonatina, de Janet Smith; Sabiá e Keep-Going, de Vasco Wellenkamp; Bailantas, de Ana Mondini; “D”, de Victor Navarro.

1989 Estreias da Companhia: Alma em Fogo, de José Possi Neto e Ana Mondini; Cânticos Místicos, de Vasco Wellenkamp; Cantata da Meia-Noite e Equinoxe, de Gigi Caciuleanu.

1990 Estreias da Companhia: Othello, de Peter Darrel; Selva, de Armando Duarte; Shogun, de Ivonice Satie.

1991 Estreias da Companhia: Valsa, de Ana Mondini; Mozartíssimo, de Gigi Caciuleanu; Hi-Fi Boleros, de Ana Mondini.

1992 Cria o Clip 15, um espetáculo comemorativo dos 15 anos da Cisne Negro Cia. de Dança, com trechos do repertório histórico da Companhia. Estreias da Companhia: O Carnaval dos Animais, de Gigi Caciuleanu; Passacaglia, de Vasco Wellenkamp.

1993 Estreia da Companhia: Segredo, de Ana Mondini.

1994 Estreias da Companhia: Don Quixote, música e adaptação coreográfica de Sergio Marshall, a partir da obra de Marius Petipa (1818- 1910); O Boi no Telhado, de Tíndaro Silvano; Players, de Gigi Caciuleanu.

1995 Estreias da Companhia: Maracatu do Chico Rei e Sete por Sete, de Mário Nascimento.

1996 Estreia da Companhia: A Viúva Alegre, com adaptação de Wagner Alvarenga.

1997 Cria o Clip 20, um espetáculo comemorativo dos 20 anos do Cisne Negro Cia. de Dança, de vários coreógrafos. Estreia da Companhia: Impromptu, de Tíndaro Silvano.

1998Estreias da Companhia: Além da Pele, de Patrick Delcroix; Danses Concertantes, de Mark Baldwin.

1999 Estreia da Companhia: Fruto da Terra, de Itzik Galili.

2000 Cria o musical Vem Dançar, pesquisa e direção de Cássia Navas, arranjos musicais Fabio Cárdia, que conta a história da dança transitando pelas danças folclóricas e urbanas do Brasil. Apresenta-se em escolas particulares e públicas, praças, parques e estádios no Brasil. Estreia da Companhia: Ícones, de Mark Baldwin.

2001 Estreias da Companhia: Em Caso de…, de Dany Bittencourt; Trama, de Rui Moreira.

2002 Estreia da Companhia: Cherché, Trouvé, Perdu, de Patrick Delcroix.

2003 Monta adaptação da coreografia La Fille Mal Gardée, coreografia original de Jean Dauberval (1742-1806), com alunos do Estúdio de Ballet Cisne Negro. Estreias da Companhia: Talvez Sonhar, de Denise Namura e
Michael Bugdahn; Anéis, de Dany Bittencourt.

2005 Estreias da Companhia: Dom Quixote e Sancho Pança Viajando pela Dança, de Dany Bittencourt; C/ Cordas, de Rui Moreira.

2006 Estreias da Companhia: Atmosferas, de Dany Bittencourt; Trilhas, de Antonio Gomes.

2008 Estreias da Companhia: Por Que…, de Ismael Guiser, e Sintonize!,de Pieter de Ruiter e Eva Villanueva.
X