Staccato | Paulo Caldas

  • Categoria: Companhias Profissionais
  • País: Brasil
  • UF: RJ
  • Cidade: Rio de Janeiro
  • Ano: 1993
  • Responsável: Paulo Caldas
  • Responsável cargo: Diretor/Coreógrafo
  • E-mail: paulocaldas@staccato.com.br

Conteúdo

O embrião da companhia surgiu em 1993, quando Paulo Caldas desenvolveu um duo com Maria Alice Poppe enquanto os dois ainda estudavam dança contemporânea na Escola Angel Vianna. Batizada de Pas", essa coreografia foi convidada por Lia Rodrigues para ser apresentada no Panorama da Dança Contemporânea do Rio de Janeiro.

A partir de então, os dois bailarinos começaram a trabalhar juntos na forma de companhia. Essas investigações em torno de um vocabulário recheado de movimentos circulares e espirais resultariam, nos anos seguintes, nas obras "Adagio" (1994), "Falso Movimento" (1995) e "Ostinato" (1996) - todas no formato de duo.

Nesse meio tempo, "Pas" recebeu prêmios de melhor coreografia, melhor execução e melhor vídeo da XII Mostra Novos Coreógrafos do Rio de Janeiro, promovida pelo RioArte (1995), e segundo lugar em coreografia no Wettbewerb für Choreographen Hannover, na Alemanha (1996).

Entre 1996 e 1997, o grupo acolheu uma terceira bailarina, Flávia Meirelles, e passou a experimentar outras possibilidades coreográficas.

Com recursos obtidos por meio de uma bolsa da Prefeitura do Rio/RioArte, em 1996, Caldas desenvolveu a pesquisa "Escritura do Movimento - do cinematográfico ao coreográfico", iniciada com o espetáculo "Falso Movimento".

Dessa investigação nasceu o espetáculo "LightMotiv", seu primeiro trabalho em formato de trio, que estreou no Festival Dança Brasil, no Centro Cultural Banco do Brasil, em 1998.

A peça compõe sua trilogia sobre a linguagem cinematográfica em cena (“Falso Movimento”, 1996, “LightMotiv”, 1998, e “Quase Cinema”, 2000), que rendeu os Prêmios RioDança de melhor coreógrafo, bailarina e iluminação (1998), o Prêmio Mambembe de melhor bailarina para Maria Alice Poppe e duas outras indicações de melhor coreografia a essa mesma premiação (1995/1997).

Em 2001, Caldas foi apontado como “notável jovem coreógrafo” na Critics’ Survey da revista alemã "Ballet International/Tanz Aktuell" e, em 2002, a Staccato apresentou "Palimpsestos" na Bienal de Dança de Lyon, na França.

Em 2004, já sem a presença de Flávia Meireles, o grupo integrou outros três bailarinos ao elenco: Carolina Wiehoff, Natasha Mesquita e Toni Rodrigues, e passou a se configurar como núcleo estável de pesquisa e criação. No ano seguinte, Maria Alice Poppe deixou a companhia, que passou a contar ainda com Paula Maracajá a partir de 2009. Entre 2004 e 2013, os bailarinos João Paulo Gross e Maíra Maneschy participaram de várias criações da companhia.

A partir de 2007, Paulo Caldas passa a investir em criações não apenas para o palco, mas também para o suporte videodança.

A Staccato integrou o programa de subvenção à dança da Prefeitura do Rio, de 1999 a 2003. A companhia trabalhou com recursos recebidos do Prêmio Funarte Klauss Vianna em 2005, 2006, 2007 e 2009, ano em que concluiu um programa de residência artística de dois anos junto ao SESC Rio.

Entre 2011 e 2013, a companhia foi mantida pelo edital de manutenção de companhias da Petrobras. Nesse período, sua sede permaneceu sendo o Rio de Janeiro, apesar de, neste período, Caldas ter se transferido, juntamente com a bailarina Carolina Wiehoff, para Fortaleza, onde se tornou professor de graduação em Dança da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Desde 2011, portanto, a companhia Staccato | Paulo Caldas divide suas atividades e elenco (que conta agora também com a cearense Silvana Marques) entre o Rio de Janeiro e Fortaleza.

Ao longo de 20 anos, a companhia se apresentou em diversas cidades no Brasil e também nos EUA, Japão, Itália, Alemanha e França. Seus espetáculos são frequentemente apontados entre os melhores do ano pelo jornal "O Globo"."

Trabalhos

Fonte (2013)

"Grafismos" (2010)

"Quinteto" (2008)

"Filme" (2006)

"Coreografismos" (2004)

"Palimpsestos" (2002)

"Quase Cinema" (2000)

"Camarescura" (1998)

"LightMotiv" (1998)

"Ostinato" (1996)

"Falso Movimento" (1995)

"Adagio" (1994)

"Pas" (1993)"
X