Dança em Rede

Erico Montes

  • Categoria: Profissionais da dança
  • País de origem: Brasil
  • Cidade de origem: São Paulo

Histórico

Atividade atual: Bailarino primeiro artista do The Royal Ballet

Erico Montes. Foto: George Abdilla | Divulgação
Erico Montes. Foto: George Abdilla | Divulgação
Erico Montes como Frei Lourenço, Romeu e Julieta, The Royal Ballet. Foto: Alice Pennefather | Divulgação
Erico Montes como Frei Lourenço, Romeu e Julieta, The Royal Ballet. Foto: Alice Pennefather | Divulgação
Erico Montes. Foto: DIvulgação.
Erico Montes. Foto: DIvulgação.

Biografia

Erico Montes começou os seus estudos de dança em São Paulo. Em 2002, ganhou uma medalha no Seminário Internacional de Dança de Brasília e uma bolsa de estudos para o London Studio Centre. No ano seguinte, ganhou medalha de ouro em uma competição de dança em Rieti, na Itália, e assim conseguiu uma bolsa de estudos para o The Royal Ballet School. Em 2004, tão logo se formou, ingressou no corpo de baile do The Royal Ballet. Em 2010, foi promovido a primeiro artista, posto que ocupa atualmente.

Desde seu início na companhia, desenvolveu um grande interesse por coreografia e começou a criar no International Draft Works, workshop anual do The Royal Ballet promovido com o objetivo de fomentar o trabalho de novos coreógrafos mundo afora.

Em 2010, a então diretora Monica Manson encomendou a ele uma obra para o The Royal Ballet's New Works, no Linbury Studio Theatre.

Como coreógrafo, também trabalhou com músicos que compuseram originalmente para suas obras: Tim Hammond (Nanny McPhee), Artem Vassiliev (The Secret Garden) e especialmente Oliver Davis (Secrets e Hansel&Gretel).

Ele também é professor, ministra aulas no programa Ballet for Boys, no London Children's Ballet, desde 2006.

Além de bailarino, coreógrafo e professor, Erico Montes também é codiretor artístico do Danceworks Ballet Academy.
 

Principais trabalhos

Como bailarino no The Royal Ballet, seus principais participações foram em Cinderella (1948), Enigma Variations (1968), Les Patineurs (1937) e The Dream (1964), de Frederick Ashton (1904-1988); The Rite of Spring (1962), The Judas Tree (1992), e Concerto (1966), de Kenneth MacMillan (1920-1992); O Lago dos Cisnes (1895), de Marius Petipa (1818-1910) e Lev Ivanov (1834-1901); The Rake’s Progress (1935), de Ninette de Valois (1898-2001); Theme and Variations (1947), de George Balanchine (1904-1983); Strapless (2016), de Christopher Wheeldon; Flight Pattern (2017), de Crystal Pite; e O Quebra-Nozes (1984), de Peter Wright depois de Lev Ivanov (1834-1901).

Como coreógrafo, ele trabalhou para algumas companhias. Criou para o New English Ballet Wesendonck Lieder (2013), Toca (2014), Unbridled Blood (2020); Para o Constella Opera Ballet criou Renard (2015), Canary Boys (2016); Para o Images Ballet Company criou Sonata in Colour (2018); Para a BGB School of Ballet, em Malta, criou A Bela Adormecida Giselle; Para a London Children’s Ballet criou The Secret Garden (2013), Nanny McPhee (2014), The Secret Garden (one act) (2017); Para o Athens Children’s Ballet criou Persephone (2016), Hansel&Gretel (2017); Para o The Royal Ballet criou papéis nos ballets Three Songs – Two Voices (2005), de Christopher Bruce; Children of Adam (2007), de Alastair Marriott; e The Seven Deadly Sins (2007), de William Tuckett.

Em 2017, Erico foi convidado a realizar Anno, uma noite de apresentações de seu trabalho coreográfico por artistas principais e solistas do The Royal Ballet, no  Pjazza Teatru Rjal, em Malta.
 

Bibliografia

(Cássia Pires | Pesquisa SPCD)

Videografia

Demonstração da mímica de O Lago dos Cisnes, Royal Ballet
<https://www.youtube.com/watch?v=WaZnAyXsX4k>

Erico Montes fala sobre a criação de Unbridled Blood
<https://www.youtube.com/watch?v=-gocdQtjdcA>

Unbridled Blood, obra completa
<https://www.youtube.com/watch?v=PwaoQ6rCJPY>

Trecho obra Toca
<https://www.youtube.com/watch?v=5HvJhqUoNQo>

X