Destaques na Mídia

  • São Paulo Companhia de Dança: Um balanço

    Roland Clauzet , La Danse/ França
    fevereiro, 2014

    Em apenas cinco anos de existência, a São Paulo Companhia de Dança produziu 27 ou 29 coreografias, fruto de um trabalho conduzido com sabedoria e cautela. Ontem mesmo, ela enfrentava com êxito o desafiador In the Middle, Somewhat Elevated, de Forsythe, que, sendo de certa forma o protótipo da integração bem-sucedida da dança clássica com a contemporânea, situa bem as possibilidades da companhia. Eles são pouco mais de 40 bailarinos, mas todos perfeitamente aptos a se dedicar com mestria a ambas as expressões. Hoje, pela primeira vez, a companhia incorpora um grande balé de ação em seu repertório, e não é pouca coisa: o Romeu e Julieta com música de Prokofiev. Essa nova produção é exemplar. Deve-se ao jovem coreógrafo [italiano] Giovanni Di Palma, que, me parece, é pouco conhecido na França, apesar de ter dançado na Ópera de Nice, no Ballet de Dresden e no de Leipzig. […]
    Mas, desde já, devemos afirmar que, além da São Paulo Companhia de Dança, provavelmente não existe alguma no Brasil que seja melhor vitrine da dança clássica e, ao mesmo tempo, da dança contemporânea. Nunca será demais afirmar o mérito digno de admiração de Inês Bogéa, a diretora, que guia suas trupes com mão firme e constrói para elas um repertório particularmente rico e judicioso. Esse resultado brilhante, obtido em cinco anos, é particularmente admirável, vindo dessa mulher pequenina, de aparência tão frágil que a veríamos, mais facilmente, dançando o papel de Giselle.


    Leia a íntegra em PDF
  • São Paulo Companhia de Dança – Sucesso de público

    Gabi Eldor , Haaretz/ Israel
    fevereiro, 2014

    […] A São Paulo Companhia de Dança se apresenta na programação de dança do Pavilhão das Artes Cênicas, em Hertzliya [na Grande Tel Aviv] […] Bailarinos bonitos, técnica excepcional, música renomada e programação diversificada. Sucesso de público. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • Dança clássica e elegante

    Volkmar Draeger , Tanznetz.de/ Alemanha
    janeiro, 2014

    […] Com uma versão clássica e bem conduzida, Giovanni Di Palma apresenta os benefícios da dança rigorosa resumida às ações essenciais. Registre-se o fato de que alguns pontos poderiam ser mais explícitos. No entanto, um coreógrafo merece muita consideração se escolhe para primeiro balé narrativo uma intrigante história internacional com várias releituras como Romeu e Julieta e ainda oferece interpretação coerente. Nossos cumprimentos aos jovens bailarinos, especialmente à delicada e tão segura Aline Campos como Julieta, ao elegante Nielson Souza como Romeu, a Diego de Paula como o intenso Mercúcio, a Geivison Moreira como o enérgico Teobaldo. Até mesmo Páris, muitas vezes caracterizado como aristocrata pouco atraente, é igualmente importante, assim como todos os outros bailarinos: magros, de pernas longas, bem preparados – uma verdadeira festa para os olhos.


    Leia a íntegra em PDF
  • Um modelo de dança equilibrado em três eixos

    Mayara de Araújo , Diário do Nordeste/ Fortaleza-CE
    janeiro, 2014

    […] Inaugurada em janeiro de 2008, a São Paulo Companhia de Dança (SPCD) é um exemplo de grupo de arte concretamente dedicado a três eixos: produção artística, formação e manutenção da memória. Com 99 funcionários, dos quais 45 bailarinos, a SPCD impressiona pelos números, não apenas de concepção artística (29 coreografias, 390 apresentações, público superior a 340 mil pessoas), mas também de produtos de formação e de fomento: em cinco anos, já foram lançados 26 documentários da série Figuras da Dança, seis documentários Canteiro de Obras, cinco filmes para educadores e cinco livros de ensaios.


    Leia a íntegra em PDF
  • Ensaio sobre o equilíbrio

    Bianca Bittelbrunn, editado por Cláudia Morriesen , A Notícia/ São Paulo-SP
    janeiro, 2014

    O universo da arte é imenso, e suas possibilidades, infinitas. A São Paulo Companhia de Dança conseguiu extrair o domínio sobre esse cenário e lança hoje a quinta edição de seu livro anual de ensaios, agora com o título Jogo de Corpo – Ensaios sobre a São Paulo Companhia de Dança, em uma iniciativa que, junto à série Figuras da Dança e ao documentário Canteiro de Obras, transformou a trajetória da companhia e da dança brasileira em patrimônio cultural. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • Dança que deslumbra com sua riqueza de movimentos

    Fernanda Muslera , El Observador/ Uruguai
    setembro, 2013

    A São Paulo Companhia de Dança não só entrou com o pé direito na sua primeira visita ao Uruguai, mas também o fez com três coreografias desafiadoras que demonstraram o excelente nível de seus bailarinos. O que é notável, também, é que a companhia criada pelo Governo do Estado de São Paulo e dirigida por Inês Bogéa conseguiu em apenas cinco anos de existência executar fluentemente três obras que, embora muito diferentes umas das outras, compartilham a singularidade de exigir grande musicalidade, velocidade e plasticidade de movimentos. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • Grupo paulista de dança de primeiro nível visitou o Uruguai

    Carlos Reyes , El País/ Uruguai
    setembro, 2013

    […] Um pouco como faz o Balé Nacional do Sodré com suas Galas, o grupo visitante brindou um programa triplo, que deu a possibilidade de se ver três coreografias bem diferentes, exibindo assim distintos modos de encarar técnicas, estilos e soluções cênicas. […]
    […] Outro aspecto fundamental: a qualidade dos bailarinos e o estado físico dos mesmos. Fiéis a melhor tradição paulista, os numerosos intérpretes possuem corpos privilegiados, belíssimos, e que manejam a técnica com grande precisão.
    O espetáculo […] correu muito bem, solidamente apoiado pelas luzes e pela música. O público, bastante numeroso, (pelo menos na apresentação de quarta-feira), o aplaudiu com força, deixando evidente que esta primeira visita da companhia paulista foi um feliz acontecimento, que seria bom que se repetisse mais adiante. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • Menina dos Olhos

    Evelin Fomin , Time Out/ São Paulo-SP
    maio, 2013

    Sejamos bem honestos. É muito raro, é raríssimo, eu diria, apreciar iniciativas que venham do governo. Ou melhor: não olhar com desconfiança para uma ideia que parte do Estado é uma opção inexistente para nós como população brasileira. Mas, ao falarmos sobre a São Paulo Companhia de Dança (SPCD), sem que se entre em polêmicas sobre suas origens, aparece diante dos nossos olhos a mais bela das exceções. […]
    A temporada montada pela SPCD tem, a cada estreia, a encenação de uma coreografia inédita. Assim você não deixa de apreciar um espetáculo já consolidado da companhia e tem a oportunidade de tirar suas próprias conclusões sobre o trabalho desenvolvido desde 2008. Se depender da crítica, vai de vento em popa.


    Leia a íntegra em PDF
  • Expressão e beleza do movimento

    Gabriele Metsker , Stuttgarter/ Alemanha
    maio, 2013

    Ela veio, dançou – e conquistou de cara o público que lotava o Fórum de Ludwigsburg. Estamos falando da São Paulo Companhia de Dança, que foi fundada bem recentemente, em 2008. O jovem grupo possui um estilo de dança que homenageia a beleza do movimento, sem se esquecer do que a riqueza expressiva do corpo humano é capaz. O vocabulário dos membros se presta à dança clássica, a rituais étnicos e a coreografias modernas, e os bailarinos, cuja companhia é dirigida por Inês Bogéa, mostraram na noite de terça-feira que dominam, soberanos, toda a gama de movimentos. […] Os aplausos não queriam parar.


    Leia a íntegra em PDF
  • Supernova no céu escuro da dança

    Angela Reinhardt , Esslinger Zeitung/ Alemanha
    maio, 2013

    No Schlosspark, o público esfrega os olhos, ansioso, durante o Fórum de Ludwigsburg. Trata-se da mesma tensão diante do palco que havia sido trazida à Alemanha pelo Nederlands Dans Theater (NDT), pelo Aterballetto ou pela Companhia Nacional de Dança da Espanha nos anos 1980 e 1990. Todas essas grandes companhias do moderno balé europeu se tornaram um pouco cansativas ou redirecionaram completamente seu repertório. Nessa brecha, uma jovem trupe surgiu em São Paulo, a maior cidade do hemisfério sul, há apenas cinco anos. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • Um jogo de corpos eletrizante

    Erika Dingeldey , Fuldaer Zeitung/ Alemanha
    abril, 2013

    Júbilo no Schlosstheater. Mais uma vez, um grupo de dança extraordinário entusiasma o público de balé de Fulda: a São Paulo Companhia de Dança, originária do Brasil, está fazendo turnê na Alemanha, trazendo um programa triplo para a Cidade do Barroco. Fundado em 2008, o jovem elenco, sob a direção artística de Inês Bogéa, já conquistou considerável renome internacional nesses poucos anos de existência […]. A dança clássica e a moderna têm lugar no repertório da companhia. Trata-se de uma formação de balé fundamentada no princípio clássico, junto com um entusiasmo apaixonado que parece estar no sangue dos jovens brasileiros.
    Exatamente por essa mistura, o grupo, formado de 15 bailarinos, conquistou a plateia de Fulda na noite de sábado. As três peças eram internacionais e não poderiam ter sido mais bem selecionadas para demonstrar a capacidade de adaptação dos bailarinos.
    […] o público de Fulda aplaudiu muito o jovem grupo que compõe a São Paulo Companhia de Dança.


    Leia a íntegra em PDF
  • Esconde-Esconde!

    Andreas Berger , Braunschweiger Zeitung/ Alemanha
    abril, 2013

    […] Uma salva de palmas, assovios e “bravos” para essa peça, que tem importância tão distinta e, ao mesmo tempo, se realiza pela agilidade impecável que é típica dos brasileiros.


    Leia a íntegra em PDF
  • Documentários da São Paulo Companhia de Dança contam história inédita no país

    Flávia Couto , Folha de São Paulo/ São Paulo-SP
    janeiro, 2013

    Além de toda a rotina de trabalho comum a uma companhia, a SPCD (São Paulo Companhia de Dança) documenta essa arte no Brasil. Desde 2008, produz a série Figuras da Dança. Trata-se de um conjunto de documentários em que cada vídeo e cada livreto apresentam vida e carreira de um artista. […]
    Depois de tanto ter aprendido sobre a trajetória da dança na Europa, ensinar sobre seus próprios criadores é uma tarefa apropriada para a SPCD, companhia oficial do Estado de São Paulo. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • Melhor espetáculo de Dança de 2012: São Paulo Cia. de Dança – Bachiana nº1

    Carolina Giovanelli , Veja/ São Paulo - SP
    junho, 2012

    Em um ano de várias estreias, a companhia paulistana brilhou na montagem Bachiana n° 1, preparada especialmente para o elenco pelo coreógrafo mineiro Rodrigo Pederneiras, do aclamado Grupo Corpo. O espetáculo estreou em abril, no teatro do Sesc Vila Mariana. Embalado pela Bachiana Brasileira n° 1, de Villa-Lobos, contava com enérgicos movimentos em conjunto que casaram perfeitamente com a trilha. Um pas de deux bem executado mostrou sensibilidade ímpar.


    Leia a íntegra em PDF
  • São Paulo Companhia de Dança

    Mirjam Van Der Linder , Volkskrant/ Holanda
    fevereiro, 2012

    E de repente, uma bailarina desliza para o palco a toda velocidade, como se tivesse sido disparada por uma catapulta. […] As poses esculturais não têm nada a ver com beleza, há um poder terreno, animal e sensual. E muita autoconfiança.
    Essa é a São Paulo Companhia de Dança. Uma companhia jovem, de três anos do Brasil, pela primeira vez na Holanda. Algo desconhecido. E um presente neste caso.


    Leia a íntegra em PDF
  • São Paulo Companhia de Dança acerta o tempo da Osesp e é aplaudida por plateia cheia

    Sidney Molina , Folha de São Paulo/ São Paulo-SP
    abril, 2011

    […] Cada trecho do balé foi aplaudido pela multidão. Ao juntar o espaço aberto da metrópole com o tempo da Osesp, a São Paulo Companhia de Dança mostrou que a Virada Cultural pode mesmo virar por alguns instantes –a cidade do avesso. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • A dança nos trópicos e a São Paulo Companhia de Dança

    Roland Clauzet , La Danse/ França
    abril, 2011

    […] Acreditamos poder comparar esse grupo [SPCD], igualmente à vontade no clássico e no moderno, aos bailarinos de Nanette Glushak no Capitole de Toulouse. A mesma tecnicidade, a mesma agilidade e elegância, o mesmo espírito de equipe. Em São Paulo, tive a oportunidade de assistir a uma sessão de trabalho sobre um balé contemporâneo, e sobressaía a facilidade de cada um para encontrar a expressão justa, exata, e executar movimentos emaranhados com estilo puro, preciso e vigoroso – Terpsícore, a musa da dança, velava ali!
    Podemos então concluir: vale a pena ver todas as experiências da dança contemporânea, mas acreditamos que, no Brasil como em todo lugar, é ótimo que existam tais companhias, constituindo proteção contra os exageros por serem capazes de trazê-los de volta à medida certa. Elas são conservatórios que asseguram à novidade seu melhor embasamento, dando-lhe a possibilidade de, um dia, tornar-se clássica.


    Leia a íntegra em PDF
  • Um Milagre Brasileiro

    Peter Rosenwald , Bravo! - São Paulo/SP
    setembro, 2010

    São Paulo Companhia de Dança movimenta uma cena – a do balé –tradicionalmente morna no país. E se prepara para enfrentar plateias estrangeiras.
    Com apenas dois anos de existência, a São Paulo Companhia de Dança está no topo de qualquer lista com os melhores grupos da América Latina. Com uma rara combinação entre técnicas do balé clássico e da dança moderna, os 43 bailarinos – 42 brasileiros e uma argentina – de repente vêm criando um rebuliço em uma cena que, até há pouco tempo, era bem morna no país. Com exceção de nomes estrelados, como Grupo Corpo, Deborah Colker e Balé da Cidade de São Paulo, poucos são os que conseguem de fato atrair público. Pois, na recente história da São Paulo Companhia de Dança, ingressos esgotam-se para programas variados, que vão desde os abstratos e refinados Serenade e Theme and Variations, do russo George Balanchine, até o contemporâneo. Os Duplos, do goiano Maurício de Oliveira. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • Tapuiassauro

    Daniel Piza (1970-2011) , O Estado de São Paulo/ São Paulo-SP
    junho, 2010

    […] No sábado retrasado fui ver a São Paulo Companhia de Dança, que em pouco tempo já demonstra uma consistência de trabalho e repertório muito longe de usuais em terras tapuias. Ela repetiu a apresentação de Tema e Variações, de Balanchine, sobre música de Tchaikovsky, com um pas de deux que dialoga com o clássico e ao mesmo tempo é moderníssimo; e terminou a noite com uma peça de outro coreógrafo genial, Seis Danças, de Jirí Kylián, com números cômicos a partir da música e da época de Mozart (que adoraria rir das perucas empoadas). Mas o prato principal foi o Prelúdio à Tarde de um Fauno, música de Debussy a partir de poema de Mallarmé, coreografia de Marie Chouinard a partir das fotos da lendária apresentação de Nijinsky em Paris em 1912. Dá para imaginar o escândalo que aquilo causou há quase cem anos, mas dá para imaginar também que a beleza grandiosa ficou mais na memória do que o choque moral. […]


    Leia a íntegra em PDF
  • Ensaio sobre a arte do movimento

    Beth Néspoli , O Estado de São Paulo/ São Paulo-SP
    agosto, 2009

    A arte nunca é apenas reflexo imediato de seu contexto. Movimentos artísticos e suas criações simbólicas também “atuam” sobre a visão de mundo dos homens de seu tempo.
    […] Sob uma trupe estatal, pesam responsabilidades. Esse livro [Primeira estação – ensaios sobre a São Paulo Companhia de Dança] revela o desejo de assumi-las.


    Leia a íntegra em PDF
X